quarta-feira, 29 de julho de 2009

Shabana Azmi - शबाना आज़मी - شبانه عظمي

-

Hoje vamos falar de um nome de grandíssimo peso não só no mundo do cinema indiano, mas principalmente no plano das mudanças sociais do país: Shabana Azmi.

Nascida no dia 18 de setembro de 1950, em Nova Delhi, Shabana Azmi é hoje a atriz indiana mais reconhecida do cinema de arte do país. De família muçulmana, seu pai, Kaifi Azmi, era um renomado poeta e sua mãe, Shaukat Azmi, era uma reconhecida atriz de teatro. Isso permitiu que o cenário para ela fosse completamente preparado para que nada a impedisse de seguir a carreira artísticas sem sofrer preconceitos. Além disso, seu irmão, Baba Azmi, é cineasta.

Sua casa sempre foi frequentada por personalidades do meio intelectual indiano, o que não só cultivou em sua personalidade o respeito pelas diferenças sociais e religiosas, como também criou nela a paixão pelo estudo do ser humano e pelo ativismo social. Foi assim que, mesmo estudando atuação na Film and Television Institute of India (FTII), de Pune, também cursou psicologia na St. Xavier's College, de Mumbai.

Em 1974, um ano depois de se formar no FTII, Shabana estreava no cinema no filme Ankur, de Shyam Benegal. Contando a história real de Lakshmi, uma empregada casada que se envolveu com um estudante universitário que visitava o interior do país, Ankur causou polêmica mas foi muito bem aceito pela crítica. O reconhecimento, porém, veio a Shabana, que em sua estreia já levou o prêmio de melhor atriz pelo National Film Award, pelo papel recusado por várias atrizes procuradas pelo diretor.

Ela voltou a ganhar o mesmo prêmio por três anos seguidos, em 1983, 1984 e 1985, pelos filmes Arth, Khandhar e Paar. Seu quinto National Film Award veio em 1999, por Godmother. O reconhecimento de seus papéis, dizem, deve-se ao fato de que ela interpreta as personagens da maneira mais realista possível, fumando se tiver que fumar, mascando tabaco se tiver que mascar, engordando se tiver que engordar.

Mas além desses prêmios, ela também levou outros três prêmios de melhor atriz pelo Filmfare Awards, nos filmes Swami (1978), Arth (1984) e Bhavna (1985). E além disso, em 2006 ela levou o Filmfare Lifetime Achievement Award, dado pelo conjunto da obra. No total, ela já ganhou 14 prêmios.

Um de seus papéis mais polêmicos apareceu no não menos polêmico - mas excelente - filme Fire (1996), da diretora independente Deepa Mehta. Nele, ela interpreta Radha, uma esposa solitária que se apaixona pela cunhada Sita (interpretada por Nandita Das) e se envolve com ela. As cenas explícitas de lesbianismo provocaram a fúria de diversos setores da sociedade indiana, incluindo do próprio governo. Mas foi também com esse filme que ela ganhou projeção internacional. No Brasil esse é um dos poucos filmes indianos que podem ser encontrados em locadoras, com o nome Fogo e Desejo.

Com a abertura que teve na mídia devido ao sucesso de seus papéis, Shabana logo cedo iniciou seu ativismo, em princípio na luta contra a AIDS e contra injustiças sociais. De início, suas campanhas caíram no descrédito, pois más línguas a acusaram de fazer isso por marketing próprio. No entanto, pouco a pouco e com muita paciência, ela provou que suas lutas eram sérias e que sua fama era a plataforma para seu ativismo social, e não o contrário.

Tão cedo ela se firmou nas lutas pelo pacifismo social, buscando sobretudo a harmonia entre comunidades. Nos atentados de Mumbai em 1993, ela apareceu como voz forte contra o extremismo religioso. Sua posição assim se manteve em 11 de setembro de 2001, quando um importante líder muçulmano indiano chamou todos os islâmicos do país a se unirem à luta do Afeganistão. Sua posição fortemente contrária a esse tipo de atitude acabou por encorajar outros líderes muçulmanos moderados que se mantinham calados e que resolver apelar pela tolerância e pacifismo.

Em 1988, ela foi agraciada pelo Padma Shri, uma espécie de condecoração oferecida pelo governo indiano àqueles que se destacam na cena social, cultural e política do país. No mesmo ano, o governo de Uttar Pradesh deu a ela o prêmio Yash Bhartiya, oferecido por sua luta pela causa das mulheres. Também levou, em 2006, o prêmio Gandhi International Peace Award, dado pela Fundação Gandhi, de Londres, para aqueles que lutam pela paz no mundo.

Desde 1989 ela faz parte do Conselho de Integração Nacional, encabeçado pelo primeiro ministro da Índia. Ela é também membro da Comissão Nacional da AIDS.

E sim, não esquecendo a vida pessoal dela, não posso deixar de dizer que ela é casada há 25 anos com Javed Akhtar, famoso poeta e escritor de músicas e filmes para Bollywood. Foi ele quem escreveu as letras das músicas de Jodhaa Akbar, por exemplo.

E só voltando ao tema cinema, Shabana não para nunca de atuar, embora a maior parte de seus filmes não apareçam em grande circuito e não chegam a fazer sucesso. Por vezes ela também aparece em Bollywood, como foi em Umrao Jaan (2006), no qual interpretou Khanum Jaan. E uma notícia mais importante: está agora em produção um filme sobre a história da paquistanesa assassinada Benazir Bhutto, no qual Shabana fará a própria Benazir. Estou ansioso por esse filme!

13 comentários:

Profª Sandra disse...

Em agradecimento por esta postagem, vc recebera em agosto um presente meu. Aguarde......
Eu Sandra, AMO esta mulher!!! Amo mulheres corajosas que nao tem medo de se assumirem e de falarem o que pensam. Alguem me disse que gosto de espelho, ou seja, mulheres como eu mesma hahahahaha confesso que SIM. Nao tenho paciencia com mulher burra e insegura!!!
Shabana eh TUDO de bom. Excelente atriz. Representa de verdade!! Inteligentissima. Nasceu, se criou e casou entre pessoas intelectualizadas, a famosa nata da sociedade. Rica, nao precisaria se expor e dar a cara a tapa, mas o faz pelo bem comum, pela sociedade e por seu pais (India) que tanto ama. Apesar de islamica critica sevderamente o fanatismo religioso islamico. Para mim, eh a melhor atriz de Bollywood. E dou para ela o premio INDIAGESTAO, que como vc sabe, vale muito mais que o Oscar, pois eh verdadeiro e nao politicagem!!!!!!! ;)
Bahoot achcha post!
Bahoot Dhanyavaad
Om Shanti

Ibirá Machado disse...

Não preciso nem dizer que essa postagem foi pra você, né? :)

bárbara disse...

Uau! Também é a minha senhora preferida do cinema indiano, a par com Hema Malini.

Ibirá, estou contente com o teu regresso, é óptimo chegar do emprego e ter posts do Cinema Indiano para ler ;)

Ibirá Machado disse...

Eu é que digo uau por seu comentário, pois saber que uma postagem do Cinema Indiano é motivo de felicidade no retorno do emprego é um reconhecimento e tanto!

Mas quanto ao meu regresso, confesso que ficaria mais um tempão por lá (antes dos 45 graus chegarem, claro)...

bjao

VANDRÉ FERNANDO disse...

AMIGO BLOGUEIRO,
PRECISAMOS CONTAR COM A SUA SENSIBILIDADE, ATRAVÉS DA DIVULGAÇÃO NO SEU BLOG DO ATO PRECIPITADO DO GOVERNO FEDERAL QUE IRÁ PREJUDICAR AS APAES E ESCOLAS ESPECIAIS.

MAIS INFORMAÇÕES NO MEU BLOG
http://vandrefernando.blogspot.com/2009/07/apaes-podem-fechar.html

AGRADECEMOS!

VANDRÉ FERNANDO

Nikos disse...

Ibirá, fico contente pela visita e pelo comentário. Quero que saiba que adoro ler seus posts. Gosto muito da cultura e dos filmes indianos principalmente, seu blog já esta linkado no meu e como você mesmo pode ver o citei em meu último post. Meu blog é quase um diário sobre meus dias, mas adoro colocar músicas e imagens nas postagens e quase sempre são de temas indianos. Já tem algum tempo que sigo seu blog e só tenho á parebenizar pelo ótimo trabalho. E como a Bárbara disse, é bom chegar em casa e ler um bom post sobre o cinema indiano. Parabéns novamente.

Ibirá Machado disse...

Puxa vida... mais uma vez, um imenso obrigado! :)

disse...

Ontem vi um filme lindissímo com essa mulher, ela realmente além de linda é uma maravilhosa atriz........vale apena ver o filme ...pra quem não viu..é o Umrao Jaan..muito lindo esse filme.....bjkus..Bira.........

Carol disse...

Quando li essa postagem pela 1ª vez, fiquei com ela na cabeça.Ontem vi o Fire e ele me deixou muito pensativa sobre a vida.Tive que vir aqui.Minha cabeça parece à beira da explosão, viver é difícil...por que não acaba logo?*dia do pessimismo,eeeee*

Benazir Bhutto...eu era viciada nessa mulher em um ano aí!Sempre vicio em coisas bizarras, e fiquei apavorada quando ela morreu T-T Enfim, agora não lembro um só fato sobre ela.Deveria guardar mais as coisas.Quero ver logo o filme.

Estou comentando com a cara mais séria do mundo e começa a tocar Chiquititas no Media.

Tenho qu parar de vir aqui na insônia da madrugada.Passo maior tempão e depois acordo acabada :(

Eu queria ser forte como a Shabana.Ela sim, vai mudar o mundo.E todos vão lembrar dela sempre.Linda, linda.Me lembra a Eliane Giardini.

Ibirá Machado disse...

Eu lembro que vi Fire na Índia, e como minha cabeça já estava a mil por conta da Índia em si, depois de ver esse filme eu fiquei triste.

Mas Carol, sem essa de pessimismo me pleno começo de ano! Vamos pensar na Shabana e sorrir, porque ela merece :D

Pedro disse...

Já estou baixando o Fire gosto da Shabana (Pq só vi um filme dela afinal)mais pelo que ela faz(Gente pessoas assim são abençoadas por Deus)... E ainda é casada como genial Javed Akhtar

Ibirá Machado disse...

:)

Rafaela Cosantti disse...

Shabana é simplesmente maravilhosa!
Lembro de ter visto fire e ter pensado "nossa essa mulher daria uma otima Benazir Bhutto" agora fico sabendo que ela realmente viverá Benazir nos cinemas,que bom que ha pessoas que pensam como eu!
Não sabia de toda sua historia de ativismo,isso só me fez ficar ainda mais impressionada com ela,além de lindissima e super talentosa ainda faz o bem.
Que mulher!